Presidente da Caixa nega bolha especulativa no mercado de imóveis

Presidente da Caixa nega bolha especulativa no mercado de imóveis

13.05.2011 | 18:01

O presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda, afirmou nesta sexta-feira (13) que os feirões da Casa Própria, promovidos pela estatal em 13 cidades do país, vão mostrar que não há bolha especulativa no mercado imobiliário. Ele reconheceu que o aumento de preços dos imóveis pode prejudicar o acesso de algumas famílias à moradia, mas disse que "o mercado se autorregula e não é possível reajustar o imóvel acima da capacidade que o mercado tem de absorver o aumento, então, isso se equilibra".

Otimista com o aquecimento do setor, o presidente da Caixa informou que, até o último dia 6, a instituição tinha fechado contratos no valor de R$ 21,5 bilhões, o mesmo montante registrado em igual período do ano passado. Na opinião dele, um bom desempenho, que pode chegar a R$ 81 bilhões no acumulado do ano.

Negociações

Para o executivo, os preços de imóveis anunciados nos jornais nunca são os efetivamente praticados. Funcionam como base de negociação e acabam caindo para que o negócio seja fechado. As declarações foram dadas justamente no momento em que a Caixa Econômica lança mais um feirão de venda de casas e apartamentos. Hereda participou solenidade de abertura da sétima edição do Feirão da Casa Própria de São Paulo. Em todo o país, serão 13 feiras do gênero, até o dia 12 de junho. Em Santa Catarina o evento acontece na cidade de Joinville, a partir do dia 20 de maio.

A expectativa de Hereda é que as vendas ao menos repitam o resultado de 2010, quando foram negociados R$ 8,4 bilhões em imóveis e fechados 93 mil contratos. Este ano foram postos à venda mais de 450 mil imóveis novos, usados e em construção (na planta).

Compradores

Hereda informou que a grande maioria dos frequentadores dos feirões da Caixa ganha mais de três salários mínimos. Do total de ofertas, 69 mil são imóveis que valem, no máximo, R$ 170 mil, teto para quem está na faixa de renda de três salários mínimos. Entre R$ 170 mil e R$ 500 mil, serão ofertados 94 mil imóveis.

O executivo prevê um mercado ainda mais aquecido no segundo semestre, com as vendas vinculadas ao programa Minha Casa, Minha Vida. "Os prazos de até 30 anos para pagar e os juros reduzidos facilitam o acesso à moradia e a tendência é ampliar esses negócios".

Nos feirões, os interessados contam com todos os serviços necessários para a compra do imóvel. Para aprovação do crédito é necessário levar, além de documento de identidade e CPF, comprovante de residência e os três últimos contracheques. No caso de renda informal, os técnicos vão analisar os extratos bancários e as faturas dos três últimos meses do cartão de crédito. Mais informações sobre o feirão poderão ser obtidas na página do feirão na internet.

Siga-nos no Twitter @economia_sc

 

CONTADOR DE VISITAS

mod_vvisit_counterVisitantes de ontem:4748
mod_vvisit_counterSemana passada:42659
mod_vvisit_counterMês passado:173428

BUSQUE SEU IMÓVEL

Vista para o mar
Próx. UFSC / UDESC

BUSQUE CÓD. OU TEXTO

-->